O Natal pode ficar dentro de contêineres e a bordo de navios no oceano

Capacidade não seria suficiente para atender o aumento da demanda para a temporada de final de ano.

A Black Friday, no início da temporada de compras natalinas, é geralmente o momento em que os números do varejo começam a mostrar os benefícios. Mas, no contexto da pandemia, isso pode mudar para pior. Foi assim que as marcas de fast-fashion H&M e Boohoo alertaram que seus lucros seriam afetados por custos e gargalos na cadeia de suprimentos.

Depois de meses movendo importações recordes para portos congestionados nos EUA e na Europa, as companhias marítimas têm muito pouca capacidade livre para adicionar pedidos de Natal a uma cadeia de suprimentos paralisada desde a reabertura após os fechamentos forçados pela pandemia. Na verdade, a ocupação do espaço da embarcação na rota Ásia-USWC atualmente chega a 95%.

Com a cadeia de suprimentos sobrecarregada, as empresas que ainda não têm estoque para a temporada de férias dificilmente poderão fazê-lo agora, de acordo com um relatório da S&P Global Market Intelligence. A situação é preocupante considerando que os níveis de estoque na Europa e nos EUA permanecem os mais baixos da história (inclusive com casos de esgotamento).

Ecoando essa preocupação, a Maersk na semana passada aconselhou seus clientes a “planejarem suas cadeias de suprimentos com bastante antecedência, especialmente em antecipação aos feriados que se aproximam”. No entanto, a ligação está claramente atrasada para alguns jogadores varejistas. “As empresas que não planejaram ou não se adaptaram a este novo ambiente de cadeia de suprimentos com prazos de entrega extremamente longos poderiam manter seus produtos em navios”, disse Eric Oak, analista de cadeia de suprimentos da S&P Global Research.

Claro que a situação no oceano não é encorajadora. Na verdade, a Maersk explicou na semana passada em uma nota dirigida a seus clientes asiáticos que espera que o congestionamento nos portos, especialmente nos Estados Unidos e na Europa, prejudique significativamente a confiabilidade dos serviços em meio à demanda que deve crescer entre 6% e 8% este ano. Mas agrega outros elementos, já que não se referem apenas à próxima Black Friday, mas estendem a situação à chamada Semana de Ouro, a todo o Natal e ao Ano Novo Chinês.

A Maersk tomou medidas para lidar com o cenário, incluindo triplicar o número de contêineres convencionais em sua frota nos últimos meses, implementar navios adicionais e omissões portuárias ad hoc para ajudar a melhorar a confiabilidade. No entanto, presume-se que não haverá capacidade para atender à demanda global, já que eles esperam que a forte demanda de exportação da Ásia continue pelo resto do ano. Antes, resta esclarecer que os embarques originários da China, Indonésia e Vietnã serão os que apresentarão maiores dificuldades.

Mas há mais do que isso, “mesmo quando a demanda no varejo cair, veremos os volumes de carga permanecerem fortes, já que os níveis de estoque precisam ser reconstruídos”, avisa Maersk. Alguns players do varejo já assumiram o que é praticamente um fato: “Não podemos atender a demanda por alguns tipos de produtos. Tanto por causa da produção de fornecedores quanto por causa do transporte e congestionamento nos portos”, disse a diretora-geral da H&M., Helena Helmersson.

Congestionamento da porta

A crise de congestionamento dos portos norte-americanos chamou a atenção para os portos de Los Angeles e Long Beach, no sul da Califórnia, responsáveis ​​por quase metade de todas as mercadorias importadas e que acumulam 60 navios porta-contêineres aguardando atracação para desembarcar sua carga. As companhias marítimas que buscam escapar do congestionamento têm olhado para portos menores como alternativa, mas estes também foram rapidamente sobrecarregados.  

O porto de Savannah, o quarto maior dos Estados Unidos, tem mais de 20 porta-contêineres esperando para atracar e já quebrou vários recordes neste ano em termos de número de porta-contêineres atendidos. Somente em julho, foi relatado que o porto movimentou 5,3 milhões de TEUs em um ano fiscal, o maior número em um único ano.

Em agosto, o porto de Houston bateu recorde ao ultrapassar 320 mil TEUs, 29% superior ao mesmo período do ano passado, quando os níveis de movimentação de carga já estavam em alta. O porto de Nova Jersey e Nova York, que lida com a maior parte das importações do USEC, atingiu um recorde em agosto pelo décimo terceiro mês consecutivo, movimentando mais de 780.000 TEUs, enquanto na semana passada tinha 9 navios ancorados esperando por Rob.

Mas o congestionamento não é um fenômeno exclusivo dos Estados Unidos. Um relatório da RBC Capital Markets and Orbital Insight analisando os 22 maiores portos do mundo descobriu que 77% produziram tempos de espera acima da média este ano, embora descobrisse que os portos do sul da Califórnia tinham tempos de espera mais ineficientes de qualquer outro porto do mundo.

Jim Newsome, CEO e presidente da Autoridade Portuária da Carolina do Sul, EUA, além de expor uma das razões mais conhecidas para o congestionamento do porto (o boom do comércio eletrônico), detalha que as vendas online devem ultrapassar 2021 para as de 2020 em até 23%, mas também cita que um estudo da Prologis indica que a atual carência de centros de armazenamento nos EUA chega a 300 milhões de metros quadrados, fator que pode aumentar os tempos de residência das importações.

Quem ganha?

Com a demanda superando a oferta, as companhias marítimas continuam a colher os benefícios. As taxas de frete estão em níveis recordes e as rotas básicas da China para o USWC aumentaram 83% este ano. As importações para a Europa estão aumentando ainda mais rápido, com alta de 134% desde dezembro. E as taxas continuam subindo: os custos de frete da China aumentaram 10,4% desde o final de julho e 2,5% a mais durante a semana encerrada em 24 de setembro.

É claro que isso se traduzirá no temido efeito inflacionário, cuja menção nos relatórios de resultados e diretrizes de lucro das empresas aumentou 74% ano-a-ano no terceiro trimestre, de acordo com dados da CapitalQ e conforme apontado em conversa de economia sobre a inflação, equivale a invocá-la.

Por MundoMarítimo