Como o Ano Novo Chinês pode afetar as importações brasileiras

O Ano Novo Chinês começa dia 16 de fevereiro de 2018. Nesta data, dificilmente alguém conseguirá contatar ou negociar com os chineses, até porque trata-se de um feriado que envolve cultura e religião, dois grandes pilares da sociedade na China. No período, mais de 100 milhões de trabalhadores tiram folga e, no total, 300 milhões de chineses viajam às suas cidades natais para comemorar o feriado ao lado de familiares.

Oficialmente o feriado de Ano Novo é de sete dias, sendo os três primeiros irrevogáveis, mas tradicionalmente é comemorado durante 15 dias e ainda há muitas pessoas, principalmente no interior do país, que respeitam esse calendário. De acordo com Maiara Cordoba, coordenadora de produto da Allog International Transport, empresas que possuem fornecedores chineses devem se preparar para este período, antecipando seus pedidos e mantendo uma programação de embarques previamente combinado. “É importante que seja feito um planejamento a curto e médio prazo”, destaca.

Outro aspecto do mercado chinês que afeta as operações de importadores é que grande parte das fábricas não trabalham com estoque de produtos finalizados. Nas fábricas que possuem escritórios em Hong Kong, onde os funcionários só tiram três dias de folga, e nas que fazem negócios através de agentes de carga, sempre há alguém atendendo ao telefone.

Os problemas já iniciam antes do feriado, quando importadores encontram dificuldade para conseguirem espaço nos navios e aeronaves devido ao acúmulo de carga. Após o feriado, pode ocorrer demora no retorno dos trabalhadores às fábricas, atraso nas entregas e oferta de carga maior que a de navios e espaço em aeronaves, principalmente nas primeiras viagens.

Bookings de navios já programados normalmente ocorrem durante o feriado, isto quando os armadores não aplicam o “blank sailing” (quando não ocorre a saída programada). Já no modal aéreo, as reservas realizadas até a data limite da carga seguirão regularmente, porém alguns embarques podem sofrer atrasos devido ao cancelamento de voos, comum ocorrer neste período com algumas cias aéreas.

A aduana de Shanghai também trabalha em plantão das 9h às 11h30 da manhã durante os dias do feriado. Desta forma, as liberações ocorrem somente neste período. Segundo a coordenadora de produto da Allog, a principal alternativa para garantir a importação para demandas com sensibilidade de tempo é os importadores se anteciparem e realizarem essas operações em dezembro e em janeiro (antes do feriado). “Desta forma, terão tempo hábil para os trâmites legais e as fábricas atenderem com a produção”, finaliza.

Feriados chineses

A China tem dois feriados prolongados: o Ano Novo Chinês e a comemoração da fundação da República Popular da China, que acontece na primeira semana de outubro. Como a China segue o calendário lunar, as comemorações de Ano Novo mudam a data todo ano, geralmente ocorrem dentro da segunda semana de fevereiro e as festividades podem durar até um mês, o que dificulta o contato com fornecedores nesta época do ano.

Fonte: Allog

Ano Novo Chinês e a cadeia logística

Com o Feriado de Ano Novo Chinês se aproximando, espera-se como de costume que toda a cadeia logística envolvendo o Far East seja afetada. Abaixo alguns pontos importantes que valem ser ressaltados às empresas que têm demandas da China durante esse período.

1. O feriado ocorre oficialmente de 04 a 10 de fevereiro. Neste período, todas as empresas envolvidas na cadeia logística irão fechar ou reduzir suas atividades. Serviço de correio, transportadoras, agentes de carga, armazéns, bancos, representantes de armadores, etc.

2. Haverá dificuldade de encontrar caminhões ou armazéns disponíveis nos portos chineses até 2 semanas antes do feriado. A razão disto é que a maioria da mão-de-obra nos grandes centros vem de outras partes da China, e tradicionalmente nessa época retorna às suas cidades junto aos familiares para festividades. Cidades como Shenzhen e Shanghai ficam praticamente vazias durante as festividades.

3. Containers serão rolados pelas companhias marítimas. Muitos exportadores estão adiantando seus fluxos para embarcar suas cargas antes do feriado. E com essa alta demanda, os armadores demoram de 2 a 3 navios para reequilibrar as programações de embarque.

4. Muitos armadores irão cancelar a viagem da primeira semana após o feriado (blank sailings). Retomando frequências habituais somente na quarta semana de fevereiro.

Uma das formas de evitar as dificuldades acima é providenciar os embarques o quanto antes. Estamos à disposição para lhe ajudar da melhor maneira.

Fonte: DC Logistics Brasil

Kamers Brasil na 6ª edição da Gotex Show 2018

Nos dias 11,12 e 13 de setembro, a Kamers Brasil participou da 6ª edição da GOTEX SHOW 2018 – Feira Internacional de Produtos Têxteis – no Pavilhão Amarelo do Expo Center Norte, em São Paulo.

A GOTEX Show reuniu em três dias mais de 100 expositores do Brasil, China, Coréia do Sul, Egito, Hong Kong, México, Paquistão e Peru, com foco em favorecer negócios e estreitar relacionamentos, trazendo ilimitadas oportunidades de negócios para as empresas.

A feira vem superando nossas expectativas a cada ano, onde podemos oferecer de forma objetiva aos nossos visitantes soluções no âmbito do Comércio Exterior.

Confira abaixo algumas fotos da nossa 3ª participação na feira, e caso não tenha conseguido nos visitar este ano, esperamos você na 7ª edição em 2019!

GOTEX SHOW 2018 – Dias 11, 12 e 13 de Setembro na Expor Center Norte.

Link para inscrição: http://www.mbxeventos.com/AOL4Gotex/PreLogin.aspx

GOVERNO DE SANTA CATARINA REDUZ PERCENTUAL DE BENEFÍCIOS FISCAIS

O Governo de Santa Catarina aprovou a redução no percentual dos benefícios fiscais concedidos às empresas do Estado. O corte dos benefícios fiscais passará a valer a partir de 2019. De acordo com a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) aprovada da Assembleia Legislativa e sancionada pelo governados Eduardo Pinho Moreira no último dia 8 de agosto, a fatia de isenções fiscais poderá comprometer no máximo 16% da arrecadação do Estado até 2022, hoje ela equivale a 25%. Esta renúncia fiscal equivale a devolução de R$ 400 milhões ao ano aos cofres públicos. Segundo o governo do estado, esta redução é importante para o equilíbrio fiscal.

O advogado tributarista Marco Aurélio Poffo, do BPH Advogados (Blumenau/SC), analisa que existem dois fatorem primordiais a serem observados nessa mudança. Um deles é que muitas empresas que foram atraídas para Santa Catarina para realizarem importações por aqui podem acabar voltando a seus Estados de origem. Além disso, a gestão empresarial será afetada, uma vez que grande parte das empresas já possuem um planejamento de investimentos, que acaba prejudicado por esta mudança repentina.

Em nota, a Federação das Indústrias de Santa Catarina (FIESC), disse que a redução pode afetar a competitividade e, por consequência, a geração de empregos no Estado. Por isso deve ser realizada com cuidado.

A promessa feita pelo Governo é de que as medidas adotadas depois de avaliação, não devem impactar a economia catarinense, já que em um primeiro momento estariam focadas em “produtos supérfluos”, conforme destacado pelo Secretário da Fazenda Estadual Paulo Eli.

Contudo, tal promessa não traz nenhum conforto aos empresários, enquanto não estiver definido quais setores serão impactados pela redução da isenção fiscal. De todo modo, sabe-se que a redução de benefícios tem impacto direto no aumento do custo de produção, de modo que a economia catarinense certamente não sairá ilesa com as novas medidas propostas pelo Governo.

 Fonte: Vale Alternativo

Comércio global: competitividade é a chave do sucesso

No último ano, a balança comercial brasileira registrou superávit de US$ 67 bilhões, de acordo com dados do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC). As exportações somaram US$ 217,74 bilhões no período. Já as importações somaram US$ 150,74 bilhões.

Nesse cenário, a China manteve-se como o maior comprador de produtos brasileiros (US$ 50,2 bilhões), seguida pelos Estados Unidos (US$ 26,9 bilhões), pela Argentina (US$ 17,6 bilhões) e pelos Países Baixos (US$ 9,3 bilhões). A China foi também o maior vendedor para o Brasil, com importações somando US$ 27,9 bilhões, seguido dos Estados Unidos (US$ 24,8 bilhões), da Argentina (US$ 9,4 bilhões) e da Alemanha (US$ 9,2 bilhões).

Segundo Mario Pólis, diretor da Emme Consultoria em Negócios Internacionais, especializada em auxiliar empresas no processo de importação e exportação, o mercado brasileiro de comércio exterior se resume em importar produtos semi e manufaturados para indústria local e agronegócio, e em contrapartida exportar commodities, recursos naturais e alguns bens manufaturados como automóveis, equipamentos e máquinas agrícolas, bem como aviões de pequeno porte. “Os grandes desafios no Brasil são a burocracia, os custos logísticos e a política. Ser competitivo nesse cenário é um grande desafio”.

Para Mario, ao desenvolver uma parceria internacional, alguns fatores devem prevalecer como visitas presenciais, criatividade, confidencialidade e cumprimento das obrigações acordadas. “Um passo a passo simples para encontrar um parceiro deve começar com uma boa pesquisa. Pode ser feita pela internet, de modo simples ou por portais eletrônicos e pagos. Em ambas, validar a empresa através da embaixada brasileira, câmaras de comércio ou mesmo por empresas de inspeção, é necessário. Em seguida, a visita ao parceiro, o estabelecimento do relacionamento e o desenvolvimento dos negócios”.

Marco Aurélio Kamers, diretor da Kamers Brasil – Importação e Exportação, reforça a necessidade de levantar o maior número de informações sobre o parceiro comercial. “É preciso investir tempo com pesquisas e contatos ou financeiramente, contratando especialistas e empresas de apoio. Fornecedores novos, a exemplo do mercado interno, requerem maiores cuidados que fornecedores regulares. Por isso, a contratação de pesquisas de mercado e vistorias de fábrica ou vistorias de pedidos prontos para embarque por empresas independentes são quase que obrigatórios para empresários que queiram operar com baixo risco”.

Segundo Marco Aurélio existem muitas oportunidades no comércio internacional. “O principal parceiro comercial do Brasil hoje é a China, seguida dos Estados Unidos e Argentina. Entretanto, nas importações, já estamos notando uma busca por novos fornecedores de países como Índia e Paquistão. Para quem busca novas oportunidades, o segredo é pesquisar, não existe fórmula mágica e muitas oportunidades no comércio exterior saem de onde menos se espera”.

Parceiras da feira GOTEX Show – Feira Internacional de Produtos Têxteis a Emme Consultoria e a Kamers Brasil estarão em mais uma edição do evento auxiliando empresas na busca por novos fornecedores e parceiros no mercado global. O objetivo é oferecer, no próprio evento, uma consultoria prévia de preços, requisitos para a importação/ exportação e tramites aduaneiros, entre outros fatores.

Voltada para a cadeia têxtil, com lançamentos e novidades para os segmentos de aviamentos, fibras, fios, tecidos, novas tecnologias, estamparia, moda casa, vestuário, moda praia, esportiva e acessórios, a GOTEX Show 2018 acontecerá de 11 a 13 de setembro, no Expo Center Norte, em São Paulo. Preço, qualidade e inovação são alguns dos diferenciais dos produtos encontrados na feira, que este ano chega a sua 6ª edição.

O evento é uma oportunidade de fomentar negócios e ampliar mercados, além de fonte de conteúdo através de palestras voltadas à atualização profissional com temas sobre tendências, inovação e mercado.

6ª GOTEX SHOW – Feira Internacional de Produtos Têxteis
11 a 13 de setembro de 2018
Terça e Quarta das 10h às 19h
Quinta das 10h às 18h
Local: Expo Center Norte – Pavilhão Amarelo
Av. Otto Baumgart, 1000 – Vila Guilherme CEP 02055-000 São Paulo – SP Brasil

FAÇA SUA INSCRIÇÃO:
http://www.mbxeventos.com/AOL4Gotex/PreLogin.aspx

Participe da 6ª edição da GOTEX Show

Kamers Brasil no Meeting Comex 2018

Kamers Brasil marcando presença no Meeting Comex, um dos maiores eventos de comércio internacional do sul do Brasil promovido pela ACIJ – Associação Empresarial de Joinville, que aconteceu no dia 18/04 (quarta-feira) no Centro de Convenções e Exposições EXPOVILLE.

Porto de Santos começa 2018 batendo recorde na movimentação de cargas

O Porto de Santos iniciou o ano de 2018 retomando as taxas de crescimento recorde na movimentação de cargas. Embarques e desembarques somaram 8,99 milhões de toneladas, o melhor resultado histórico para o mês de janeiro. O crescimento é de cerca de 13% sobre o recorde anterior (em 2013) e 22,2% em relação ao mesmo mês do ano passado. Os números foram compilados pela Gerência de Estatísticas da Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp).

Os embarques de mercadorias no Porto de Santos cresceram 28,2% em relação a janeiro/2017, um total de mais de 6 milhões t. O crescimento foi impulsionado principalmente pela alta do milho (193,1%). O produto está na etapa final do escoamento da safra 2016-2017 e marcou o segundo melhor resultado histórico para o mês, ficando abaixo apenas de janeiro/2016, quando foi exportada 1,7 milhão de toneladas.

O segundo produto de maior movimentação em janeiro/2018 foi o açúcar, embora tenha registrado queda em relação a 2017. Foram 897,7 mil toneladas, contra 929,4 mil t no ano passado. A queda foi de 3,4%.